Cestaria Urutu 30cms (L1-1)
Cestaria Urutu 30cms (L1-1) Cestaria Urutu 30cms (L1-1) Cestaria Urutu 30cms (L1-1) Cestaria Urutu 30cms (L1-1) Cestaria Urutu 30cms (L1-1) Cestaria Urutu 30cms (L1-1) Cestaria Urutu 30cms (L1-1) Cestaria Urutu 30cms (L1-1)
R$ 129,00

Descrição:

Os Baniwa fazem cestaria decoradas com grafismos há muito tempo.

Ainda hoje em todas as comunidades utilizam diariamente vários tipos de trançados de arumã para processar a mandioca brava, base da sua alimentação.

Os Baniwa usam os urutus para reservar massa de mandioca (antes e depois de espremer no tipiti) e também para guardar farinha, beiju e roupa. Para comercializar, os Baniwa produzem urutus de vários tamanhos - tanto de diâmetro quanto de altura - geralmente com grafismos coloridos marchetados.

Os urutus podem ser utilizados como cachepôs para vasos de plantas e flores ou para colocar lápis, revistas, brinquedos e lixo seco.

Detalhes:

  • Feito a mão no Brasil 
  • Tamanho: 30 cms de diâmetro e 30 cms de altura (pode variar um pouco devido à natureza artesanal do produto)
  • Este urutu é vendido individualmente.
  • Material: O arumã é uma espécie de cana, cresce em regiões semi-alagadas e é utilizado por povos indígenas amazônicos na produção de variados objetos como balaios, urutus, peneiras e jarros. 

Sobre os Baniwa: 

Os Baniwa vivem na fronteira do Brasil com a Colômbia e Venezuela, em aldeias localizadas às margens do Rio Içana e seus afluentes Cuiari, Aiairi e Cubate, além de comunidades no Alto Rio Negro/Guainía e nos centros urbanos de São Gabriel da Cachoeira, Santa Isabel e Barcelos (AM). Já os Kuripako, que falam um dialeto da língua baniwa, vivem na Colômbia e no Alto Içana (Brasil).

Ambas etnias aparentadas são exímias na confecção de cestaria de arumã, cuja arte milenar lhes foi ensinada pelos heróis criadores e que hoje vem sendo comercializada com o mercado brasileiro. Recentemente, têm ainda se destacado pela participação ativa no movimento indígena da região. Esta corresponde a um complexo cultural de 22 etnias indígenas diferentes, mas articuladas em uma rede de trocas e em grande medida identificadas no que diz respeito à organização social, cultura material e visão de mundo.

Arte Baniwa:

A arte feita da fibra de arumã é vista como arte cultural milenar. A matéria prima é oferecida pela natureza e na confecção manual baseado na simplicidade, podemos conhecer essa arte criada e mantida por pessoas que dominam as técnicas básicas adquiridas entre as famílias, passando de geração em geração, com diversos tipos de trançados, que possui um significado simbólico concernente à identidade cultural dos povos nativo Rionegrino.

As mulheres baniwa usam cestaria de arumã na roça e, sobretudo, na preparação dos alimentos à base de mandioca. A comercialização dessa arte, objetiva complementar a renda familiar por meio de uma produção de qualidade, ao mesmo tempo em que incentiva os saberes tradicionais, o fortalecimento da valorização da identidade indígena, agregando a originalidade da cultura, costumes e tradições.

cestaria de arumã é tradicionalmente um trabalho masculino, como a maior parte das tarefas artesanais, entre elas fabricar ralos de madeira, canoas e remos, além de pescar, (secundariamente) caçar, construir casas, limpar caminhos e preparar armadilhas de pesca.