Mandala de Palha de Tucumã
Mandala de Palha de Tucumã Mandala de Palha de Tucumã Mandala de Palha de Tucumã Mandala de Palha de Tucumã Mandala de Palha de Tucumã Mandala de Palha de Tucumã
R$ 129,00

Descrição:

As mandalas são confeccionadas a partir da palha do Tucumã e tingidas com pigmentos naturais em um processo de fabricação 100% artesanal, tornando cada peça única. 

A técnica de trançado de palha passada de geração em geração em comunidades amazônicas às margens do Rio Arapinus. É das folhas do tucumã, tipo de palmeira bastante encontrada no  Pará, que as mulheres artesãs extraem a fibra usada para trançar cestos, mandalas, bolsas, vasos, baús com desenhos geométricos de estilo próprio e cores vibrantes. Em alguns casos, as fibras podem ser tingidas com pigmentos naturais, por processo de fervura de plantas encontradas na Amazônia.

Para dar cor e vida às peças, as fibras de palha passam por um processo de pigmentação natural a partir de flores, raízes e flores da floresta. Para obter a cor vermelha as mulheres utilizam o cipó de uma árvore chamada Crajiru, também muito usada para fazer chá e combater a anemia. Já o pigmento amarelo é extraído da raiz da Mangarataia Amarela, também conhecido como Cúrcuma ou Açafrão. Depois de colhidas, as folhas ou raízes são raladas, piladas e postas em água quente para fervura, e lá adicionadas às fibras de palha.

Entendemos por artesanato da floresta, o artesanato produzido por populações tradicionais da floresta, que agrega matéria-prima extraída de forma sustentável, conhecimento tradicional, identidade cultural, habilidade manual e criatividade.

O trançado de fibras vegetais é uma das artes mais antigas do mundo. As populações tradicionais da Amazônia utilizam inúmeras fibras nativas, para tecer cestas, mandalas, bolsas e muitos outros produtos utilitários e decorativos.

Detalhes:

  • Feito a mão no Brasil.
  • Tamanho: 37 cms de diâmetro.
  • Material: Fibra de tucumã, tingido com pigmentos naturais.
  • Artesanato Solidário - Cooperativa que reúne cooperados, artesãs e artesãos de comunidades ribeirinhas da região de Santarém no oeste do Pará, que, transformaram essa atividade tradicional em uma oportunidade de geração de renda, resgatando saberes e habilidades, valorizando a identidade cultural.